Insolvência. Exoneração do passivo restante. Prejuízo. Credor. Juros

INSOLVÊNCIA. EXONERAÇÃO DO PASSIVO RESTANTE. PREJUÍZO. CREDOR. JUROS 

APELAÇÃO Nº 170/11.2TMGR-C.C1
Relator: CARLOS GIL 
Data do Acordão: 29-02-2012
Tribunal: MARINHA GRANDE 3º J 
Legislação: ARTS.18º, 186º, 236º, 237º E 238º CIRE
Sumário:

  1. O deferimento inicial do requerimento para exoneração do passivo restante depende não apenas da não verificação dos fundamentos de indeferimento previstos no artigo 238º do CIRE, mas também, numa interpretação teleológica e em conformidade com a Constituição, da verificação da possibilidade de satisfação de um mínimo do passivo existente, mediante a liquidação do activo existente e pela cessão do rendimento disponível durante cinco anos.
  2. No caso de eventual atraso na apresentação à insolvência, o simples avolumar do passivo decorrente da contagem de juros de mora sobre o capital em dívida não integra a causação de prejuízo aos credores para os efeitos previstos na alínea d), do nº 1, do artigo 238º do CIRE.
  3. Tendo sido proferida decisão judicial a declarar fortuita a insolvência da requerente do incidente de insolvência, não deve o incidente de exoneração do passivo restante ser indeferido com base no disposto no disposto no artigo 238º, nº 1, alínea e), do CIRE.

    Consultar texto integral
  4.  

Powered by Marketing Lovers